Conheça mais sobre os nossos modelos de franquia

Saiba tudo sobre 9 áreas de especializações em odontologia


Saiba tudo sobre 9 áreas de especializações em odontologia

No passado, ter um diploma de graduação era o suficiente para entrar no mercado de trabalho e se estabelecer. Hoje, no entanto, é extremamente importante investir em uma pós-graduação ou especialização. O mercado está cada vez mais saturado e o paciente, mais exigente.

Dessa forma, é interessante que o profissional formado em odontologia se especialize e procure se aperfeiçoar em técnicas modernas. Para os dentistas, existem inúmeras áreas interessantes para aprofundar o conhecimento e atender a demanda de pacientes.

No entanto, saber qual área de especialização escolher é uma decisão difícil. Para ajudar você, odontólogo, separamos algumas especializações em odontologia e seu principal campo de atuação. Boa leitura!

O mercado de odontologia no Brasil

A odontologia é a segunda profissão mais rentável do País, logo atrás da medicina, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). No Brasil, há cerca de um cirurgião-dentista para cada 800 habitantes, uma das melhores médias globais. No entanto, os profissionais estão mal distribuídos no território nacional e se encontram em grande proporção na região Sudeste.

No mercado de trabalho, o dentista pode atuar em clínicas e consultórios de terceiros, ter seu próprio consultório ou clínica, prestar concurso para atuar em órgãos públicos do Estado, seguir a carreira acadêmica ou até trabalhar em empresas que fabricam materiais e equipamentos para consultórios.

Dessa forma, fica claro que trabalhar como cirurgião autônomo, principalmente na região Sudeste, é uma carreira bastante disputada e de difícil acesso. Afinal, os equipamentos necessários para a atuação de um cirurgião-dentista são caros, assim como o aluguel ou compra de imóvel para consultório.

Entretanto, é possível investir em diversas áreas de especialização para enriquecer o currículo e se destacar no mercado. Este é um investimento que a maioria dos cirurgiões-dentistas está aderindo, afinal, um melhor nível de especialização garante melhores resultados para os pacientes em um tempo menor.

Outra opção, menos rentável, é procurar emprego em órgãos públicos, como no serviço odontológico das prefeituras, programa de Saúde das Famílias, Brasil Sorridente e nas Unidades Básicas de Saúde do SUS (Sistema Único de Saúde). O setor público é um dos maiores empregadores de cirurgiões-dentistas do País.

Para quem tem o sonho do consultório próprio, as áreas mais aquecidas do mercado são a dentística restauradora, odontopediatria, endodontia e implantodontia. Áreas relacionadas a estética facial e dos dentes também estão em alta e possuem grande índice de procura pelos pacientes.

A importância de se especializar na área da odontologia

A odontologia vem seguindo os passos da medicina e está cada vez mais estratificada. Nos últimos anos surgiram diversas novas especialidades, cada vez mais aprofundadas em tratamentos e cuidados específicos, visando um melhor e mais completo atendimento ao paciente.

Dessa forma, ao optar por uma especialidade, existe um novo mundo de possibilidades relacionadas a um segmento específico, desempenhado por uma menor quantidade de profissionais capacitados. Assim, o trabalho que você realizará será especial e atrairá mais pacientes que buscam tratamentos e técnicas indicadas para uma determinada situação.

Além disso, clínicas, instituições e empresas optam cada vez mais por contratar profissionais especializados, tornando este um critério em seus concursos e processos seletivos. Outro ponto positivo da especialização é o ganho pessoal de conhecimento e crescimento profissional. Odontólogos especializados afirmam que se especializar é uma experiência excelente para aperfeiçoar sua prática, além de aprender novas técnicas e ir em busca da excelência no atendimento.

1. Clínico geral

O dentista clínico geral é um profissional capacitado para realizar a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de diversas patologias de dentes e gengivas na área da odontologia. Desse modo, seu principal serviço é a manutenção da saúde bucal por meio da higienização oral.

É importante ressaltar que o odontólogo clínico geral não é um profissional que possui especialização. Os dentistas clínicos possuem um conhecimento amplo, mas não aprofundado, sobre todas as áreas da odontologia. Sendo assim, caso o paciente necessite de algum procedimento especial, será encaminhado pelo clínico geral para um especialista mais indicado de acordo com o tipo de patologia apresentada.

É na clínica geral que o paciente terá o primeiro contato com um odontologista, ou seja, eles realizam os procedimentos e tratamentos iniciais. Dentre eles, podemos citar:

  • limpeza dental;
  • raspagem de tártaro;
  • remoção de cáries e dentes de leite;
  • restaurações pequenas e delicadas;
  • aplicação de flúor;
  • polimentos e ajustes de peças dentárias;
  • atendimentos de cunho emergencial.

Assim, podemos concluir que o dentista clínico geral é peça fundamental na prevenção e defesa da saúde bucal. Afinal, dentre as suas funções está a orientação sobre técnicas de higienização oral.

2. Odontopediatra

A odontopediatria é um segmento da odontologia que cuida da saúde bucal das crianças. O tratamento odontológico infantil é extremamente importante e vai definir a saúde bucal desse paciente quando adulto. Dentre os fatos que induzem um adulto a protelar ou adiar o tratamento dentário está o medo. Sabemos que esse medo é derivado de experiências ruins ou traumáticas no consultório odontológico quando crianças.

Assim, algumas das principais características de um odontopediatra devem ser a calma e a paciência. É importante trabalhar o emocional da criança para que ela aceite o tratamento sem estresse, sem medo e, principalmente, sem traumas. Para isso, é preciso uma atenção especial e um consultório atrativo, que ajude as crianças a se divertir e se distrair do foco principal, que é o tratamento dentário.

Antes da consulta, é interessante que os pais conversem com o profissional e expliquem os medos e receios da criança. Desse modo, o odontopediatra pode se preparar e ajudar a criança a superar o seu medo.

Além de ser responsável pela higiene bucal das crianças, essa área da odontologia também trabalha com bebês e gestantes. É preciso orientar as futuras mamães quanto à escovação e higiene bucal, mesmo para as crianças que ainda não têm dentinhos. Deve ser aplicada uma quantidade de creme dental específica para cada idade, assim como existem escovas diferentes para cada fase.

A partir dos seis meses de idade já é feito o acompanhamento semestral. Nessa fase da vida, a função do odontopediatra é preservar os dentes de leite até a chegada dos permanentes, além de diagnosticar problemas de mastigação. Normalmente, o tratamento dentário para crianças é mais simples e inclui limpezas, extrações de cáries e encaminhamento para o ortodentista.

3. Odontohebiatria

Você provavelmente já ouviu falar em médico hebiatra. Esse profissional cuida de uma das fases mais complexas que passamos em nossa vida: a adolescência. Assim como o médico, o odontohebiatra é um profissional especializado em adolescentes, cuidando de sua saúde bucal. Essa fase ocorre entre os dez e vinte anos e é marcada por mudanças físicas e de comportamento.

Sabe-se que a adolescência é uma fase de intensa transição. Nesse período, crianças que tinham os dentes alinhados podem começar a apresentar desalinhamentos por causa do crescimento. Além disso, a alimentação, muitas vezes, piora e se torna mal equilibrada, o que pode prejudicar a saúde dos dentes. Essa fase também é marcada por muitas inseguranças, que podem levar os adolescentes ao uso de drogas e a transtornos como a bulimia. O odontohebiatra está apto a perceber essas mudanças e orientar os pais caso encontre alguma alteração significativa.

Dessa forma, uma das funções do profissional hebiatra é realizar uma abordagem correta com adolescentes para que eles sigam seus conselhos e colaborem com o tratamento. O que se deseja é que o adolescente tenha confiança no seu dentista e no tratamento proposto.

Além das tradicionais limpezas, faz parte da área de atuação do odontohebiatra atuar na formação de bons hábitos de escovação e higiene dental do adolescente.

4. Cirurgia e traumatologia

O profissional que se especializa em cirurgia e traumatologia na ortodontia está apto a realizar procedimentos cirúrgicos em ambiente hospitalar. O período de pós-graduação pode variar, mas é normalmente em torno de dois a quatro anos de dedicação exclusiva.

O cirurgião buco-maxilo-facial trata defeitos de nascença, traumatismos faciais, mau crescimento crânio-facial, deformidades faciais e outros problemas que envolvem os ossos que formam a face. Em âmbito ambulatorial, são realizadas cirurgias simples, como as de remoção de dentes, cistos, tumores benignos e lesões leves.

Quando a cirurgia é considerada mais grave e de maior risco, é necessário ambiente hospitalar. Nesse caso, podemos citar a remoção de tumores da cavidade oral, como os de bochecha, língua, palato, mandíbula, maxila e queixo. Outro grande segmento é a correção de anomalias faciais, como mandíbula ou maxilar desviados, e estruturas ósseas pequenas ou grandes demais para a estrutura facial. Nesse caso, pode ser usada cirurgia ortognática para corrigir as deformidades.

Em alguns casos, pode ser feita reposição de tecido ósseo em pacientes que tiveram câncer. Em traumas graves com grande perda de estruturas faciais, como a pele, ossos e dentes, o cirurgião buco-maxilo-facial intervém a fim de reintegrar a função fisiológica e estética dos pacientes.

Existem diversas outras possibilidades nessa área, como o tratamento das dores na articulação temporomandibular e problemas de apneia do sono. Essa é uma área interessante para quem se interessa por cirurgias mais complexas e extensas que as realizadas por dentistas generalistas e de outras especialidades.

5. Endodontista


Quero ser franqueado


A endodontologia é o ramo da odontologia que possui profissionais capacitados para tratar das lesões do nervo (polpa) e da raiz dos dentes. Popularmente, endodontia é um sinônimo para tratamento de canal. Essas lesões normalmente geram uma necrose pulpar e ocorrem por cárie dentária profunda ou fratura dental

A polpa dentária é o tecido mole que abriga os nervos, tecido conjuntivo e vasos sanguíneos de cada dente. Ela está localizada dentro do dente, mas se estende até o osso da maxila ou mandibular. Quando essa estrutura sofre uma lesão ou patologia, pode ocorrer a entrada de bactérias que vão causar uma infecção e consequente inflamação do local.

Quando o problema não é resolvido por um odontólogo especializado em endodontologia, forma-se um abscesso, ou seja, uma coleção de pus e bactérias que causam dano ao dente e deixam a polpa extremamente edemaciada (inchada) e dolorida. Quando a polpa não é removida, os subprodutos da infecção começam a atacar os dentes, nervos e gengivas.

O tratamento de canal, especialidade dessa área, é a remoção da polpa infectada para preservar a saúde do dente. O canal do dente é limpo, desinfetado e obturado.

Todos os dentistas são aptos a realizar um tratamento de canal, porém, é o endodontista quem conhece mais profundamente as técnicas e tem maior domínio sobre o assunto.

6. Ortodontista

Ortodontia é a especialidade da odontologia relacionada ao estudo, tratamento e prevenção dos problemas de crescimento e desenvolvimento da face e seus ossos, do arco dentário e da oclusão. Ou seja, essa área se relaciona a disfunções dento-faciais.

No ramo, existem três segmentos. O primeiro deles é o preventivo. A criança deve fazer acompanhamento com o ortodentista para que ele possa prevenir o surgimento de problemas de crescimento dental e dos ossos da face. Nessa fase, são usados geralmente aparelhos móveis para corrigir o problema.

Quando um problema é diagnosticado, passamos para a fase interceptativa. O foco é interromper um problema que está começando a acontecer antes que ele se instale completamente. Esses problemas podem incluir posicionamento lingual incorreto, de dentes e de bases ósseas, assim como problemas respiratórios. Na ortodontia são usados tanto aparelhos ortodônticos fixos quanto móveis.

O terceiro e último segmento é a ortodontia corretiva. Normalmente, é realizada em adultos ou adolescentes que já completaram seu desenvolvimento e apresentam problemas de posicionamento de dentes e ossos. O ortodontista vai corrigir os dentes e as estruturas da face por meio do uso de aparelhos ortodônticos. Em alguns casos mais graves pode ser necessária intervenção cirúrgica.

Embora existam muitos ortodontistas, esta é uma área da odontologia que possui alta demanda por serviços, e por esse motivo é uma boa opção de pós-graduação. Além disso, a área precisa de profissionais interessados em buscar atualizações e opções mais modernas de tratamento, o que pode ser um diferencial no meio profissional.

7. Odontologia estética

A odontologia estética é um segmento da odontologia que cuida da beleza e aparência do sorriso. Há muitos anos a parte estética do sorriso deixou de ser apenas vaidade e se tornou uma questão de saúde. Um sorriso bonito e bem cuidado eleva a autoestima do paciente, traz mais confiança para as relações pessoas e profissionais, além de ser sinônimo de higiene e capricho.

Desse modo, os profissionais que apostam em odontologia estética têm ganhado espaço e destaque no mercado. Existem diversas possibilidades nessa área, veja a seguir alguns exemplos.

7.1. Facetas de porcelana

Esse é um dos procedimentos estéticos mais procurados pelos pacientes. As facetas podem ser usadas para modificar a cor, a forma e até o tamanho dos dentes, a fim de obter um sorriso proporcional e de aspecto natural. Esse tratamento permite uma restauração dental não invasiva, visto que a camada de porcelana é extremamente delgada e é fixa no esmalte dentário. Desse modo, é possível reparar dentes com fissuras, traumas, escurecidos e de tamanhos desproporcionais.

7.2. Clareamento dentário

Sem dúvidas o clareamento dental é o procedimento mais procurado e que mais atende as expectativas do paciente. Esse procedimento é realizado para deixar os dentes mais brancos e com a cor uniforme. Existem duas opções: uma delas é o clareamento fora do consultório, com moldeiras e géis clareadores.

É da responsabilidade do odontologista confeccionar uma moldeira que se ajuste perfeitamente à arcada dentária. Outra possibilidade é realizar o procedimento a laser no consultório. O processo é imediato, rápido e indolor.

7.3. Cirurgia plástica gengival

Existem pessoas que, ao sorrir, deixam grande parte da gengiva à mostra: é o chamado sorriso gengival. Os dentes parecem pequenos e desproporcionais para a boca, enquanto a gengiva aparece demasiadamente. Para corrigir o problema, é realizada uma gengivoplastia, processo que tem como objetivo reduzir o tamanho das gengivas e expor uma maior superfície dos dentes. O resultado é um sorriso mais harmônico e bonito.

8. Implantodontista

A implantodontologia é uma especialidade odontológica focada em reestabelecer a função mastigatória e estética dos dentes, quando um ou mais dentes são perdidos, por meio da implantação cirúrgica de uma pequena peça de titânio que vai servir de raiz do dente. Esse objeto é chamado de “pino”, e servirá de base para uma peça protética que substituirá o dente ou dentes perdidos. Essa peça protética é uma coroa dental confeccionada a partir da anatomia do dente, presa ao implante, a raiz dentária artificial.

Desse modo, o paciente ganha novamente a função mastigatória correta, o que é extremamente importante para a saúde bucal e geral. Além disso, o implantodontista proporciona mais conforto aos seus pacientes, visto que, ao contrário de dentaduras comuns, as dentaduras parciais e próteses montadas sobre implantes não mudam de posição na boca.

Durante a pós-graduação, o odontólogo vai aprender técnicas de enxerto ósseo e levantamento de seio maxilar. Ademais, estará apto a decidir qual a melhor opção protética para cada paciente.

9. Periodontista

Periodontia é uma das especialidades especiais da odontologia. O periodontista cuida das estruturas que ficam em torno dos dentes, ou seja, gengivas, ossos e ligamentos. Assim, essa área vai estudar, realizar o diagnóstico, a prevenção e o tratamento das doenças periodontais. Esse tipo de doença afeta as estruturas nobres da boca (ossos, gengivas e ligamentos) ao causar uma inflamação de origem bacteriana.

Nossa boca é um pequeno ecossistema que abriga diversos micro-organismos, dentre eles várias bactérias diferentes. Normalmente, as doenças periodontais são formadas pela atividade das bactérias que vivem em nossos dentes, língua e gengiva. Essas bactérias produzem a todo tempo uma placa bacteriana, afinal, a nossa boca é rica em substratos para que elas se reproduzam e retirem energia. O primeiro substrato utilizado é a saliva e os restos alimentares que ficam após a escovação.

A placa em si não é prejudicial, se for removida periodicamente por meio da escovação e uso do fio dental. No entanto, quando há muito substrato disponível, as bactérias produzem ácidos que começam a desmineralizar o dente e causar problemas gengivais. A gengivite é a inflamação da gengiva, processo que ocorre quando o corpo tenta eliminar esse excesso de bactérias na boca. Já a doença periodontal é a inflamação dos tecidos que sustentam o dente. Seu agravamento pode levar a perda óssea e consequente perda dos dentes.

É nesse cenário que o periodontista vai intervir. Nesses casos, é necessária uma limpeza mais profunda, chamada de raspagem. Em alguns casos, pode ser necessário até mesmo o uso de anestesia local — afinal, os instrumentos ficam em contato íntimo com a inervação dos dentes.

Durante o curso de pós-graduação, o odontólogo vai estudar os fatores que levam às doenças periodontais, assim como os tratamentos e cirurgias estéticas referentes à área. No mercado de trabalho, ganham destaque a utilização de biomateriais, cirurgias reconstrutivas e a terapia periodontal.

Nesse post, apresentamos as melhores especializações disponíveis para dentistas. No entanto, após saber um pouco mais sobre todas, é possível que ainda haja dúvidas sobre qual área escolher.

Em primeiro lugar, é essencial levar a sério seu gosto pessoal na hora de tomar uma decisão. A área escolhida deve interessar o profissional e o desafiar a ser cada vez melhor em sua profissão. Afinal, o processo de estudo e aprendizado demanda muitas horas de leitura, prática e dedicação ao tema proposto. Se o dentista não se identificar, esse processo será um sacrifício. Assim, não é recomendado optar por áreas somente pela questão financeira, por exemplo, ou por alguma influência externa. Descubra o que te dá prazer em trabalhar e invista nisso.

O segundo passo, já com a especialidade escolhida, é procurar uma boa instituição de ensino, compatível com seu ideal de aprendizado. Escolha um curso com profissionais renomados e que enfatizem a prática clínica. Desse modo, é possível colocar os conhecimentos adquiridos em prática enquanto trabalha em seu consultório ou clínica.

Por último, lembre-se de que após a conclusão do curso é necessário fazer cursos de atualização de técnicas e procedimentos periodicamente. Essa é a sua garantia de que o conhecimento obtido na pós-graduação e na prática clínica estará sempre à frente de outros profissionais do mercado.

E então, aprendeu tudo sobre as diversas áreas de especializações em odontologia? Deixe seu comentário e compartilhe conosco suas experiências, dicas e dúvidas!

Postado em 24/04/2017.


Compartilhe

Siga-nos no facebook

Siga-nos no Linkedin

Siga-nos no Linkedin