Agende a sua avaliação
Ou agende pelos telefones (11) 2672-5700 - Estado de SP 0800 601 1520 - Demais estados

Agende a sua avaliação de forma rápida e fácil

Agende a sua avaliação

Afinal, por que os dentes ficam amarelos?



Há um problema muito comum que não são uma questão urgente de saúde bucal. No entanto, ainda assim, eles podem causar um desconforto estético nas pessoas, diminuindo a nossa confiança, a vontade de sorrir e faz as pessoas se perguntarem por que os dentes ficam amarelos.

Esse escurecimento nem sempre é percebido, já que surge de forma gradual, mas chega um momento em que nos sentimos incomodados com ele, não é mesmo? Então, o que fazer para reverter essa mudança de coloração nos dentes? Há formas de prevenir o problema?

Se você tem dúvidas como essas, vai gostar de conferir o nosso post! Veremos o que pode causar o escurecimento dental, como evitá-lo e se o clareamento é capaz de reverter a sua situação. Continue lendo e descubra tudo o que precisa saber sobre os dentes amarelos!

Quais são as causas para o amarelamento dos dentes?

Em primeiro lugar, é importante entender quais fatores são responsáveis pelos dentes amarelados.

Propensão genética

O que dá cor ao dente é a dentina, camada mais interna e porosa que reveste e protege a polpa. Ela pode se apresentar em quatro cores naturais básicas:

  • marrom avermelhado;
  • cinzento;
  • cinza avermelhado;
  • amarelo avermelhado.

A coloração é herdada geneticamente. Se os seus pais têm dentes amarelos ou acinzentados, é provável que os seus sejam de tonalidades parecidas. O esmalte, por outro lado, que é a camada dental mais externa, é translúcido. Se ele for manchado, certamente vai interferir na cor do seu dente.

Desgaste dental

Quando a camada de esmalte dental está fina, isso significa que ela se desgastou. Nessa condição, chamada de erosão dental, a dentina aparece mais e os dentes podem aparentar uma coloração mais escurecida.

Tal desgaste do esmalte se dá por diversos fatores, como:

  • envelhecimento natural dos dentes;
  • força excessiva colocada na mastigação;
  • bruxismo — o ranger involuntário dos dentes, principalmente na hora do sono;
  • exposição dos dentes a ácidos — causada pelo consumo de determinados alimentos ou pelo refluxo gastroesofágico;
  • utilização de escova com cerdas duras.

Fumo

Além de provocar uma série de doenças graves, inclusive o câncer bucal, o cigarro pode comprometer a estética do sorriso. Basicamente, a fumaça e as substâncias tóxicas contidas do tabaco se fixam no esmalte e causam manchas superficiais amareladas e acastanhadas.

Uso de algumas medicações

Alguns tipos de antibióticos podem influenciar a coloração dos dentes, quando estão em formação. Por isso, caso a mãe tenha tomado esses medicamentos durante a segunda metade da gravidez, pode haver uma mudança nos dentes do filho.

Se a criança tomar esse tipo de antibiótico antes dos 8 anos, seus dentes também podem aparentar alterações de cor. O pior é que tais variações de cor não são resolvidas pelo clareamento, sendo necessários outros tratamentos estéticos para lidar com o problema.

Alimentação

O consumo em excesso de café e chá está entre as causas mais comuns de dentes amarelos. Contudo, vinhos, refrigerantes escuros, sucos de uva e qualquer bebida colorida ou aromatizada artificialmente também podem contribuir para esse escurecimento. Alguns alimentos conseguem ainda pigmentar o esmalte dentário, como o açaí, o molho de tomate, o molho de soja e a beterraba.

Idade

Um processo natural do organismo quando envelhecemos é a alteração na coloração dos dentes. Isso ocorre porque a dentição é exposta a muitos alimentos e a variações temperaturas ao longo da vida. Sem contar que, com a idade, a tendência é que haja um desgaste maior do esmalte dentário, como comentamos no tópico anterior.

Limpeza oral inadequada

Muita gente não imagina, mas um dos fatores que causam os dentes amarelos é justamente a falta de cuidados com a higienização bucal. Isso porque, sem uma limpeza adequada, você não remove a placa bacteriana. Com o tempo, esse biofilme se transforma em tártaro, que é uma camada mais escurecida que fica aderida aos dentes.

O hábito de não usar o fio dental nas escovações também colabora para o escurecimento do sorriso. Como os restinhos de alimentos não são completamente eliminados, principalmente entre os dentes e a linha da gengiva, forma-se a placa e o tártaro, alterando a coloração do dente.

Por que os caninos amarelam mais que os outros dentes?

Talvez você já tenha notado e até achado estranho como nem todos os dentes amarelam da mesma forma, e que os dentes caninos ficam mais amarelos que os demais. Alguns dentes têm a propensão de ficarem pigmentados com mais facilidade devido à interação com os tecidos que constituem o dente. Dessa maneira, a dentina interna é que fica com a cor amarela, e o esmalte externo que é superficial tem coloração branca e transparente.

Nesse sentido, os molares e pré-molares posteriores e os dentes caninos têm uma quantidade maior de dentina e menor a de esmalte. Esse é o principal motivo que faz com que essa parte da dentição fique mais amarelada, além de também demorarem mais para clarear durante o processo de clareamento.

O que fazer para evitar que os dentes fiquem amarelos?

Agora que vimos as principais causas do problema, é hora de entender como prevenir ou reduzir esse amarelamento dos dentes no dia a dia. Confira nossas dicas!

Mude os hábitos

A melhor saída é evitar o contato dos dentes com pigmentos que modificam a sua coloração. Muitas vezes, isso exige uma mudança dos seus hábitos alimentares, limitando o consumo de alimentos e bebidas que causam manchas, como o café.

Essa precaução é o primeiro passo para não piorar a sua condição, mas sabemos que é difícil se privar de algumas bebidas e alimentos. Então, uma boa medida é enxaguar a boca logo que acabar de consumi-los, para diminuir os efeitos indesejados.

Escove bem os dentes

A escovação é essencial para reduzir o escurecimento dos dentes. O ideal é que ela aconteça, ao menos, 3 vezes ao dia, sendo a última limpeza diária realizada antes de dormir. É preciso, por outro lado, ser delicado nesse processo, para não desgastar o esmalte dentário.

Utilize um creme dental que não seja abrasivo e uma escova com cerdas macias. Faça movimentos suaves e circulares em todas as faces dos dentes, para garantir uma limpeza efetiva. Não se esqueça do fio dental, e lembre-se de trocar a escova a cada 3 meses ou sempre que as cerdas estiverem gastas.

Visite o dentista com frequência

A cada 6 meses, aproximadamente, é ideal passar por uma consulta ao dentista. Nesse check-up, o profissional realiza uma limpeza mais profunda e minuciosa, chamada de profilaxia.


Agende sua avaliação

Se preferir, agende por Telefone: 0800 601 1520


Trata-se de um procedimento rápido e indolor, utilizando jatos com bicarbonato de sódio que deixam os dentes mais limpos e polidos. Se necessário, ele também fará uma raspagem, para retirar o tártaro. O objetivo desse procedimento é diminuir as áreas de acúmulo de alimentos e facilitar a sua higienização em casa.

Se você se mostrar incomodado com a cor dos seus dentes, o dentista ainda poderá indicar um tratamento clareador. Ele saberá qual é o melhor método para o seu caso, dando-lhe instruções e acompanhando o processo.

Pare de fumar

Por fim, a dica para os fumantes é abandonar o vício. Sabemos que esse não é um processo fácil, mas você pode procurar ajuda médica para lidar melhor com essa questão. Assim, além de evitar o mau hálito e os dentes amarelos, você cuidará da sua saúde em geral.

Use produtos específicos

Já existem no mercado diversos produtos que ajudam no clareamento dos dentes, como cremes dentais. Ao contrário do que muita gente pensa, clarear com receitas caseiras não é recomendável. Esfregar os dentes com essas substâncias podem causar erosão, que é como se você esfregasse uma lixa nos dentes, afetando o esmalte.

Portanto, o ideal é utilizar produtos que têm comprovação de que funcionam, e não apostar em receitas de clareamento como a de bicarbonato de sódio. É melhor não acreditar em métodos mágicos e buscar a ajuda profissional para não gerar outros problemas dentários.

Evite alimentos cítricos

O consumo de alimentos cítricos também é um vilão para o amarelamento dos dentes, já que ao entrar em contato um alto nível de acidez, ocorre a chamada “erosão ácida”. Com isso, a camada mais externa começa a se desgastar e a pigmentação aumenta. Portanto, evite consumir em excessos alimentos como:

  • limão;
  • laranja;
  • mexerica;
  • abacaxi e outros.

Crie uma rotina de cuidados

Quando se cria uma rotina de cuidados diária, com escovação adequada, uso de fio dental e enxaguante bucal, as chances de sofrer com a pigmentação e amarelamento dos dentes é bem menor. Essas precauções, além de manter a boca saudável, evita que outros problemas bucais possam surgir em devido à falta de higiene.

Evite o consumo excessivo de bebidas com muito corante

Não são só fatores como fumo, avanço da idade, propensão genética e outros aspectos que influenciam para deixar os dentes amarelos. Há uma questão diária que pode acelerar muito a pigmentação dentária, que é o consumo de alimentos e bebidas que têm excesso de açúcares e corantes — como os que são ricos em caroteno (tomate, cenoura e outros).

Ao consumir bebidas e alimentos sem cuidados é natural que isso afete a coloração dos dentes. Como os pigmentos passam pelos canalículos dentinários (como se fossem poros do dente), com o tempo isso modifica a cor e também causa o amarelamento. Por isso, tome cuidado com a ingestão de bebidas, entre as quais:

  • água com quantidades altas de flúor;
  • refrigerantes;
  • café;
  • sucos escuros;
  • vinho tinto;
  • chocolate;
  • chá preto.

O clareamento pode resolver o problema?

Se a mudança de coloração for causada por pigmentações do esmalte, o clareamento dental será efetivo. Lembre-se, no entanto, de que você é dependente da coloração genética que adquiriu de seus pais. Por isso, algumas pessoas não chegarão aos dentes clarinhos de que gostariam apenas com esse procedimento.

Como funciona o tratamento

Em suma, trata-se de um tratamento estético que utiliza um gel clareador à base de peróxido de hidrogênio ou carbamida. Essa substância tem o poder de quebrar as moléculas que causam a pigmentação no esmalte.

O paciente deve colocar uma moldeira de silicone com a substância e permanecer com ela durante o tempo determinado pelo dentista. Para potencializar os resultados, o especialista também pode fazer a aplicação de laser ou luz LED no procedimento.

Ainda é possível fazer esse tratamento em casa, utilizando também o gel clareador e a moldeira. No entanto, mesmo quando caseiro, esse procedimento deve ter a supervisão do dentista. Ele é quem recomendará as quantidades e o tempo de uso correto, além de acompanhar os resultados. Há casos até em que esse profissional pode sugerir a combinação do tratamento no consultório e em casa.

De todo modo, o clareamento dental é um tratamento seguro e indolor, capaz de transformar o sorriso de maneira rápida. Justamente por isso, é um dos procedimentos estéticos de maior procura nos consultórios. O ideal, contudo, é sempre procurar clínicas e profissionais especializados. Assim, além da segurança no procedimento, você garante um sorriso com uma coloração mais natural.

A duração do processo de clareamento

O tratamento pode durar de 1 a 3 anos, mas, para isso, é essencial a cooperação do paciente. É necessário:

  • manter uma boa higienização bucal;
  • evitar o consumo de alimentos pigmentados;
  • não fumar;
  • visitar o dentista com regularidade.

Contraindicações

Em geral, o clareamento dental é indicado para pacientes com boa saúde bucal. Quem não deve se submeter ao procedimento são gestantes, lactantes ou pessoas que apresentam uma hipersensibilidade dental. Há ainda situações de dentes amarelos que não podem ser corrigidos com esse tratamento. Por isso, somente com ajuda profissional será possível avaliar qual a melhor alternativa para cada caso.

Em quais casos o clareamento não é efetivo?

Se o amarelamento dos dentes for devido à genética, ao desgaste do esmalte ou ao uso de medicamentos durante a formação dental, o clareamento dental não será eficiente. Isso porque as alterações citadas acontecem na dentina, ou seja, não são superficiais. Mas calma! Há outras soluções para esses casos.

O paciente pode colocar as lentes de contato dental, ou facetas laminadas, um dos tratamentos estéticos que é queridinho das celebridades atualmente. Elas são, na verdade, um tipo de revestimento ultrafino de porcelana, que é colado na face externa dos dentes anteriores, (aqueles que podemos ver quando conversamos ou sorrimos). Servem, portanto, para corrigir pequenas imperfeições nos dentes, harmonizando o sorriso de forma rápida e surpreendente.

Essas lentes de contato dental podem ser indicadas para diferentes casos. Uma das indicações, por exemplo, é usá-las quando os dentes estão mais escurecidos, nos quais o clareamento dental não apresenta resultado.

Apesar de ultrafinos, esses laminados são extremamente duráveis e resistentes. Mas atenção: para garantir os resultados, é fundamental fazer o procedimento em uma clínica de qualidade. Além disso, não se esqueça de realizar um acompanhamento a cada 6 meses com o dentista.

Então, entendeu porque os dentes ficam amarelos? Agora que sabe como evitar o escurecimento e de qual maneira o clareamento pode ajudar você, livre-se desse incômodo procurando bons profissionais, como os da equipe da Sorridents! Caso o tratamento clareador não seja efetivo, o dentista poderá indicar outro procedimento, como as lentes de contato de que falamos.

Se gostou desta leitura, que tal continuar por dentro de outras dicas de saúde e estética bucal? Então, conta para a gente o que você achou dessas dicas!

Postado em 18/09/2020.


Compartilhe

Siga-nos no twitter

Siga-nos no twitter