Enxaguante bucal: como escolher o mais adequado para você | Sorridents - Clínicas Odontológicas
Agende a sua avaliação
Ou agende pelos telefones (11) 2672-5700 - Estado de SP 0800 601 1520 - Demais estados

Agende a sua avaliação de forma rápida e fácil

Agende a sua avaliação

Enxaguante bucal: como escolher o mais adequado para você



O enxaguante bucal é um item de higiene oral que deixa muitas pessoas confusas. Perguntas como “usar ou não usar o produto?” e “como escolher o melhor enxaguante diante de tantas opções encontradas nas prateleiras de supermercados e farmácias?” são bastantes comuns, motivo pelo qual este texto responde a essas questões e aprofunda o tema.

Adiante, vamos mostrar qual é a função do enxaguante bucal — solução que finaliza o ritual de limpeza bucal, mas não deve ser utilizada de qualquer jeito e em todas as escovações —, que contraindicações esse hábito implica, como escolher o item correto (seja antisséptico, com álcool ou com flúor) e de que maneira usá-lo no dia a dia.

Acompanhe o post e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

QUAL É A FUNÇÃO DO ENXAGUANTE BUCAL?

Talvez o principal motivo que leve as pessoas a comprarem um enxaguante bucal seja a promessa de um hálito mais refrescante. O produto pode até trazer uma sensação momentânea de refrescância, mas essa não é a sua função. Na verdade, a finalidade desse item é eliminar resíduos e bactérias que não foram retirados com a escova e o fio dental.

Nesse sentido, a recomendação do Conselho Regional de Odontologia do Estado de São Paulo (CROSP) é utilizar o produto em casos de pós-operatório de cirurgias bucais e de pacientes que estão mais sujeitos a desenvolver cáries, doenças periodontais (na região da gengiva e dos tecidos de sustentação dos dentes) ou sensibilidade dental.

Em todo caso, o recomendado é sempre pedir a orientação do seu dentista para que ele possa indicar o enxaguante bucal mais adequado para você, bem como a frequência de uso do produto.

O ENXAGUANTE BUCAL SUBSTITUI A ESCOVAÇÃO?

Muitos pacientes se perguntam sobre o uso do enxaguante bucal como substituto da escovação, mas é preciso afirmar que esse item não remove a placa bacteriana e nem consegue retirar os restos alimentares retidos nos dentes.

Assim, muita gente, por causa da pressa ou da preguiça, acha que pode fazer a troca da escovação pelo uso de enxaguante. No entanto, isso é muito perigoso para a saúde bucal, pois somente o uso de escova, creme dental e fio dental vão combater e prevenir a placa bacteriana, as cáries e as demais doenças orais, como a gengivite e a periodontite (inflamação severa no tecido gengival).

É RECOMENDADO DILUIR OU MISTURAR O ENXAGUANTE COM ÁGUA?

Outra dúvida que chega com frequência ao consultório odontológico é esta: “recomenda-se diluir o enxaguante na água”? Apesar de o hábito ser compreensível, uma vez que enxaguantes com álcool, por exemplo, podem provocar ardência em alguns pacientes, é preciso afirmar que essa prática não é indicada.

O motivo é que colocar qualquer outra substância no enxaguante altera as propriedades desse item de higiene bucal, que deixa de eliminar micro-organismos na boca e pode, inclusive, contribuir, quando diluído em outros componentes, para um quadro de disfunção na cavidade oral.

QUAL É A QUANTIDADE IDEAL DE ENXAGUANTE PARA UTILIZAR?

Até aqui, você já sabe que o enxaguante bucal não substitui a escovação, sendo indicado para uso após a higienização feita com escova, creme e fio dental. Mas a dúvida que fica é a respeito da quantidade ideal desse produto, certo?

Respondendo à questão, deve-se seguir sempre a recomendação do dentista e a indicação de uso do fabricante. Porém, os pacientes podem utilizar o copinho medidor, que geralmente vem acoplado no enxaguante e tem um volume de 20 ml, ideal para finalizar a assepsia da boca com esse líquido enxaguante.

QUANTAS VEZES USAR O ENXAGUANTE BUCAL POR DIA?

Não se deve usar o enxaguante bucal de maneira irrestrita, porque o excesso dessa substância pode prejudicar a dentição. Nesse sentido, a recomendação é para que os pacientes façam bochechos com esse líquido antisséptico por até duas vezes ao dia, preferencialmente à noite, quando há redução de salivação no sono e o produto consegue agir por um tempo maior na cavidade.

Contudo, o uso adequado de enxaguante bucal depende da necessidade de cada paciente. Para você ter ideia, pessoas que estão fazendo um tratamento periodontal ou ortodôntico, por exemplo, podem utilizar o produto de forma pontual, para não atrapalhar os resultados da terapia.

EXISTEM CONTRAINDICAÇÕES PARA SEU USO?

O enxaguante bucal é contraindicado para:

  • crianças menores de 3 anos;
  • crianças maiores de 3 anos, que não devem utilizar formulação com flúor ou álcool, pois podem engolir o produto e, como consequência, sofrer com fluorose (manchas nos dentes), vômitos ou problemas no intestino;
  • idosos com grave dificuldade motora;
  • diabéticos, que não devem usar soluções com corantes, uma vez que elas podem conter açúcar;
  • pacientes em tratamento de quimioterapia e de radioterapia;
  • pessoas que fazem tratamento de clareamento dental, as quais devem evitar formulações com corantes para não contrair manchas nos dentes.

Por isso, é tão importante fazer uma avaliação clínica antes de começar a usar enxaguante bucal, já que o cirurgião-dentista consegue examinar a boca, recomendado boas práticas de higiene oral para o paciente manter o sorriso harmônico e ganhar qualidade de vida.

COMO ESCOLHER O ENXAGUANTE BUCAL MAIS ADEQUADO?

É fundamental conversar com o seu dentista para pedir a indicação do enxaguante bucal mais adequado para você. Isso porque existem diversos tipos, como os que apresentaremos a seguir.

ANTISSÉPTICO

O enxaguante antisséptico tem a função de eliminar as bactérias. No entanto, é preciso cautela com o seu uso, pois o produto elimina todas as bactérias da boca — inclusive as que estão presentes naturalmente na cavidade bucal, ajudam no controle da acidez e dão início à digestão dos alimentos.


Agende sua avaliação

Se preferir, agende por Telefone: 0800 601 1520


O uso dessa formulação pode causar sensibilidade, alteração do paladar e também deixar os dentes mais porosos.

A fim de evitar infecções, o mais indicado é utilizar o enxaguante bucal antisséptico em situações de pós-cirurgias bucais. Nesses casos, é essencial a prescrição do dentista. Fórmulas com clorexidina, por exemplo, não devem ser utilizadas por mais de 15 dias, pois podem provocar manchas marrons nos dentes.

Muitos pacientes utilizam o enxaguante na guerra contra o mau hálito, porém esse problema não pode ser eliminado apenas com o produto. É importante que o dentista avalie o seu caso e descubra a causa da halitose, que pode ser decorrente de algum problema estomacal, por exemplo.

FORMULAÇÕES COM ÁLCOOL

As pessoas têm a ideia de que a limpeza é mais eficaz de acordo com a ardência do produto. Por isso, acabam escolhendo as formulações com álcool. No entanto, o uso abusivo desse tipo de enxaguante pode causar descamação dos tecidos bucais e também boca seca.

Assim, se você escolheu essa versão para combater o mau hálito, pode ter o efeito contrário e aumentar o problema. Por isso, atenção: não é recomendado o uso diário desse tipo de enxaguante bucal.

FORMULAÇÕES COM FLÚOR

É o tipo de enxaguante que pode ser utilizado todos os dias — sem restrições — por adultos. A formulação pode prevenir problemas bucais, como a placa bacteriana, pois fortalece o esmalte dentário. Assim, essa pode ser uma opção interessante para pacientes mais sensíveis às cáries, por exemplo.

Além disso, seu uso é indicado para pacientes que utilizam aparelho ortodôntico, pois eles têm mais dificuldades de realizar a limpeza bucal completa. Nesse caso, o produto pode prevenir o aparecimento de bactérias, mas não substitui o uso da escovação.

Mantenha o produto longe das crianças, pois a ingestão de flúor pode causar fluorose — ocasionando manchas nos dentes. Existem, no mercado, formulações adequadas para o público infantil — muitas delas com sabores mais agradáveis.

PARA SENSIBILIDADE DENTAL

Há enxaguantes bucais que combinam flúor e nitrato de potássio e são indicados para o controle de sensibilidade dental. Seu uso é indicado com o acompanhamento do dentista, para que ele possa avaliar o caso e a evolução do tratamento.

COMO UTILIZAR O PRODUTO CORRETAMENTE?

Você já sabe que a indicação odontológica é de que o enxaguante bucal seja utilizado apenas uma vez ao dia. Algumas pessoas gostam de utilizar a substância pelo menos duas vezes ao dia, por conta da sensação de hálito fresco, e, nesses casos, o recomendado é investir em formulações com flúor, que reforçam a saúde da boca.

De toda forma, para fazer o uso correto do enxaguante bucal, você deve seguir este passo a passo simples:

  1. inicialmente, encha a tampa com a solução até a marca indicada;
  2. faça bochechos de um minuto, certificando-se de passar o produto por toda a boca;
  3. depois, cuspa o líquido. Não é recomendado enxaguar a boca com água após o uso do produto.

Não se esqueça de que a orientação do cirurgião-dentista é crucial para manter a boca livre de germes e de doenças infecciosas, que podem acarretar problemas no desenvolvimento da dentição, da gengiva e dos ossos que sustentam os dentes.

No consultório odontológico, você passa por exames detalhados, que baseiam o diagnóstico do profissional. Após a primeira consulta, o paciente deve ser orientado sobre uma rotina ideal de higiene bucal e, se for necessário, contará com a recomendação do especialista para um tratamento adequado.

Agora você já sabe como escolher o enxaguante bucal que pode, de fato, colaborar para a boa saúde de seus dentes e do tecido gengival. Na dúvida diante de tantas marcas e composições, não hesite em pedir orientações ao seu dentista para adquirir um produto correto.

O texto foi realmente útil para você? Se sim, não perca outras dicas para manter a saúde bucal em dia. Siga, agora, as nossas redes sociais e receba outros materiais interessantes sobre o tema. Estamos no Facebook, no Instagram e no YouTube!

Postado em 11/02/2019.


Compartilhe

Siga-nos no twitter

Siga-nos no twitter