Conheça mais sobre os nossos modelos de franquia

Como deve ser a relação entre franqueado e franqueador?



Uma franquia consiste em uma licença para dispor de determinada marca e tecnologia de negócios na venda de determinados produtos ou serviços de uma empresa — cedidos por meio de estipuladas condições consolidadas em contrato de franquia. Quem está cedendo os direitos é nomeado de franqueador e quem recebe a permissão de uso é chamado de franqueado. Dessa forma, é fundamental ressaltar as diferenças existentes entre a relação franqueado e franqueador. 

Em um sistema de franchising, ou seja, de franquias, o dono de uma marca (franqueador) concede aos interessados (franqueados) os direitos de uso de sua organização. Assim, franqueadores espalham seus negócios e recebem uma quantia por quem usa sua marca; franqueados, por sua vez, se inserem no mercado por meio de uma marca renomada. A fim de manter uma relação estável entre ambas as partes, é preciso manter a harmonia e o cumprimento de alguns procedimentos.

Nesse sentido, preparamos este post para que você saiba como manter uma boa relação entre franqueado e franqueador. Para conferir, continue a leitura!

Nível de comprometimento de cada parte

O franqueado formará uma empresa para operar sua franquia. Assim, como gestor de sua empresa, deverá seguir as regras preestabelecidas pelo franqueador, o que ocasiona certa perda de sua liberdade e independência.

Entretanto, ele faz uso de um conjunto de benefícios, sendo os mais importantes: utiliza uma marca sólida com identidade visual trabalhada profissionalmente, opera um ramo com processos padronizados e tem acesso a fornecedores previamente escolhidos.

Em vista disso, em toda relação de negócio entre o franqueado e o franqueador, é essencial que ambas as partes cumpram as regras e normas específicas, com o objetivo de manter uma boa relação entre os integrantes do sistema de franchising.

Para isso, é preciso que o franqueado faça os pagamentos das taxas estabelecidas, siga as regras do seu sistema de franquias, forneça relatórios de despesas e outros acordos em vigor no contrato, além de gerir de maneira responsável o seu empreendimento. Ademais, é preciso apresentar uma equipe de funcionários qualificados e produtos que estejam de acordo com a qualidade da marca.

O franqueador também precisa manter um nível de comprometimento na relação. Por essa razão, ele precisa saber gerenciar situações conflituosas para que elas não tomem medidas excessivas, prejudiquem a continuidade da franquia ou ocasionem a quebra de contrato.

Dessa maneira, a fim de conservar um bom relacionamento entre os integrantes, é fundamental que o franqueado entenda como funciona o sistema de franquias. Uma coisa é formar e gerenciar uma loja bem-sucedida; outra bem distinta é conseguir negociar com a marca e saber como atuar, sobretudo para padronizar serviços e proporcionar suporte para os parceiros. Logo, a fim de obter uma rede de franqueados satisfeitos, é preciso que o franqueador obtenha o perfil correto.

O franqueador e o franqueado só conseguirão ficar satisfeitos se os dois lados respeitarem a parceria, sendo que o primeiro deve oferecer a estrutura combinada e o segundo deve respeitar os padrões estabelecidos, sem desviar do modelo original do negócio.

Necessidade de manter métricas na relação

Métricas em franquias estão relacionadas com a importância de supervisionar os resultados dos seus projetos e processos. Elas contribuem para gerenciar melhor os recursos. Além disso, permitem identificar gargalos, gastos excessivos e atividades que necessitam ser aperfeiçoadas. Sendo assim, ressaltaremos 7 métricas importantes que devem ser avaliadas:

  • resultado do investimento;
  • quantidade de vendas;
  • índice de conversão em vendas;
  • custo de obtenção de novos clientes;
  • desempenho das campanhas de vendas;
  • porcentagem de consumidores satisfeitos;
  • taxa de cancelamento.

Quero ser franqueado


As métricas mencionadas anteriormente são responsáveis por calcular ou medir o progresso da empresa em relação às vendas, ao consumo e às compras. Elas têm a finalidade de acompanhar as atividades que regem uma franquia e, assim, contribuir para o seu desenvolvimento. Para isso, é fundamental que o franqueador ajude o franqueado que ainda não tem experiência no mercado. Consequentemente, precisa haver uma relação de reciprocidade entre as partes.

Portanto, a relação entre franqueado e franqueador deve ser de parceria, pois o franqueador sempre precisará buscar melhores soluções para todas as partes. Em contrapartida, os franqueados precisam colaborar da melhor maneira para ajudar a obter resultados satisfatórios.

Conflitos entre as partes

Para exercer uma função no sistema de franchising, é essencial que o franqueado realize um estudo sobre regras e padrões que devem ser seguidos para manter uma boa imagem da franqueadora. É fundamental fazer um estudo detalhado do perfil de cada franqueado, para que o mesmo consiga atender aos requisitos necessários esperados, objetivando o funcionamento da unidade de acordo com suas regras e normas.

Contudo, algumas situações conflituosas acabam surgindo entre os integrantes. Elas devem ser bem administradas para que o sucesso empresarial tanto do conjunto de franquias quanto do empreendedor local seja uma realidade.

Caso o franqueado não execute os padrões de qualidade estabelecidos pelo franqueador, isso pode ocasionar conflito na parceria. Por outro lado, se o franqueador não divulgar a marca no mercado local e apresentar dificuldade de comunicação com os consumidores, o desgaste e a frustração do franqueado podem aparecer.

Para solucionar situações conflituosas, os seguintes procedimentos são cabíveis: múltiplos diálogos, suporte adequado em eventuais dificuldades, qualidade na entrega de produtos, cumprimento de regras, incentivo e reconhecimento.

Apesar de o mercado econômico ser propício para novos investimentos, principalmente no segmento de franquias, é preciso fazer um estudo minucioso de todos os incluídos — com a finalidade de evitar conflitos futuros. Desse modo, evitar desentendimentos favorece a permanência do empreendimento. Os empresários poderão oferecer mais qualidade nos serviços e nos produtos ofertados. Então, buscar a conciliação em caso de conflito é a melhor solução, pois essa atitude mantém uma relação harmônica com o modelo de franquias presente. 

Em suma, é imprescindível que o empreendedor interessado em franquias comece pesquisando informações a respeito do mercado. Isso porque é a partir de pesquisa detalhada, de análises e de leituras sobre a relação entre franqueado e franqueador que é possível obter sucesso no mercado.

Exemplo de franquia de sucesso é a Sorridents Franchising, que fornece apoio ao franqueador em todas as etapas do empreendimento e garante o sucesso do empresário.

Gostou das nossas informações sobre a relação entre franqueado e franqueador? Então, entre em contato conosco e saiba mais sobre o assunto!

Postado em 29/01/2019.


Compartilhe

Siga-nos no facebook

Siga-nos no Linkedin

Siga-nos no Linkedin