z
Agende a sua avaliação
Ou agende pelos telefones (11) 2672-5700 - Estado de SP 0800 601 1520 - Demais estados

Agende a sua avaliação de forma rápida e fácil

Agende a sua avaliação

Canal no Dente: Doi? Sintomas, Como evitar?



Nesta leitura, iremos conversar sobre o tratamento de canal que realizamos nos elementos dentários. Vamos iniciar então, mostrando para vocês, nossos leitores da Sorridents, o que é o canal do dente. O procedimento de canal no dente é realizado na polpa dentária, que é o tecido mole que contém nervos, vasos sanguíneos e tecido conjuntivo. Ela está localizada no interior do dente e se estende da coroa dentária à ponta da raiz dentária. A raiz dentária está inserida dentro do osso da maxila ou mandíbula. 

O que é um canal no dente?

A endodontia é o ramo da odontologia que trata da etiologia, diagnóstico, terapêutica e profilaxia das doenças e lesões que afetam a polpa dentária e a raiz dentária, bem como o tecido periapical.

Uma rápida pesquisa no dicionário e você verá que a palavra “endo” quer dizer dentro/interno. Já a palavra “dontia” significa dente. Isso ajuda a entender de forma bem simples o que faz essa área da odontologia. A endodontia tem a função de tratar a estrutura interna do dente, chamada de polpa dentária.

Quando o dentista realiza o tratamento de canal no dente, ele realiza um procedimento pelo qual a polpa dentária é removida, devido a sua inflamação e em seguida, a cavidade é limpa, esterilizada, preenchida e selada na cavidade pulpar.

As pessoas podem achar uma definição excepcional, mas na verdade, é um tratamento que acomete muitas pessoas diariamente e que a Sorridents executa com bastante frequência e para o qual temos profissionais especializados, dedicados e qualificados.

O tratamento endodôntico, relatado de um modo mais simples, seria como remover o tecido infectado, que são os vasos sanguíneos e os nervos que estão dentro das raízes dos dentes e da câmara pulpar. A câmara pulpar é a  extensão do dente que está fora da gengiva, que recebe impacto da mordida, o material restaurador e a escovação. Isso se faz na parte do interior do referido dente, que é substituído por um material inerte, de modo que acaba com a infecção e dessensibiliza o dente.

É um tratamento de origem milenar, do período helenístico (200 anos a.C.), sendo que a vedação da cavidade pulpar era feita com materiais da época, neste caso, com elementos de bronze. Hoje, com a evolução da odontologia, são usados cimento obturador de polímero de amina epóxica, utilizado como selador definitivo para todas as técnicas de obturação. Este cimento oferece máxima compatibilidade biológica, radiopacidade e estabilidade de cor. Seu sistema pasta-pasta permite maior limpeza e ótima visco.

 

A polpa dentária:o que é?

Como falamos anteriormente, a câmara pulpar ou polpa é a área mole que contém nervos e vasos, localizada na parte central do dente. Os tecidos conjuntivos, os vasos sanguíneos e os nervos dos dentes estão nas “pernas” ou “raízes” do dente, indo até a extrema ponta do raiz levando todas essas estruturas.

Os nervos dos dentes não são vitalmente importantes para a sua função e para a sua saúde depois que emerge pela gengiva. Sua única função é sensorial – fornecimento de sensação de frio ou calor na área.

A ausência ou presença dos nervos não interfere na função mastigatória dos elementos, o que devemos saber é que devido a eles não terem mais inervação costumam tornar-se mais frágeis a quebra quando consumimos alimentos duros.

 

Por quais motivos a polpa deve ser removida?

O momento em que a polpa se danifica, ou seja, quando o dente é acometido por uma cárie que contém bactéria, essa bactéria avança, chegando ao canal, então neste momento precisamos remover a polpa. Com o ataque da bactéria ela acaba se decompondo e as bactérias passam a se multiplicar bem dentro do que conceituamos como câmara pulpar. Os outros restos da polpa morrendo e as bactérias podem ser as causadoras de um abscesso dentário ou uma infecção.

O abscesso é uma bolsa com bastante pus, formada bem no final da raiz dos dentes pelo lado externo da gengiva ficando visível a olho nu, podendo ser confundido inicialmente a uma afta que drena pus. Além de causar o abscesso, a infecção que se dá no canal radicular também pode causar:

  • Inchaço que tende a se espalhar para diversas áreas do rosto, pescoço ou cabeça;
  • Perda óssea ao redor de toda a ponta da raiz;
  • Problemas com a drenagem que se estendem para o lado de fora da raiz. 
  • Abscesso externo que pode acabar tendo um buraco por meio do lado do dente, com a drenagem nas gengivas ou através da pele da bochecha.

O que danifica a polpa dos dentes em primeiro lugar?

A polpa dos dentes pode tornar-se infectada, inflamada e irritada devido à:

  • Decadência profunda;
  • Procedimentos odontológicos repetidos no dente;
  • Grandes obturações;
  • Rachaduras severas ou uma lasca no dente;
  • Traumas ocorridos no rosto.

Canal no dente dói?

As pessoas relatam que uma dor de dente provocada por um problema de canal é um processo muito doloroso.  No entanto, a grande maioria daqueles que fazem esse tratamento nos dias de hoje, relata que o tratamento não é doloroso.

O desconforto que se experimenta é quando o dente inicia com a infecção e vai até o momento em que o dentista anestesia e inicia o tratamento, nessa fase é que realmente pode ser considerado doloroso.

Durante o procedimento e o pós-tratamento, não necessariamente existe qualquer evento de dor.

Quais são os principais sintomas de canal no dente?

Estes são alguns dos sinais de que talvez você precise de terapia de canal no dente:

  • Dor nos dentes severa ao aplicar qualquer tipo de pressão ou mastigação;
  • Sensibilidade prolongada (dor) quando há exposição a temperaturas frias e quentes (após o frio ou calor ter sido aplicado);
  • Escurecimento (descoloração) do dente;
  • Sensibilidade e inchaço nas gengivas próximas;
  • Uma espinha recorrente ou persistente nas gengivas.

Às vezes, nenhum sintoma está presente, por isso é importante sempre visitar um dentista de confiança para a manutenção da saúde dentária.

 

O procedimento do canal no dente

O tratamento de canal pode ser realizada por um dentista ou endodontista que irá avaliar o diagnóstico da infecção e relatar o período pelo qual será realizado o tratamento. Um endodontista é um dentista especializado nas causas, diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças e lesões da polpa dentária dos dentes.

Etapa 1

O primeiro passo no procedimento do tratamento é fazer uma radiografia para ver a forma das raízes do canais radiculares e determinar se há algum sinal de infecção no osso circundante.

O profissional usará anestesia local e no ramo que amortece o dente para anestesiar a área próxima ao dente e o dente em si. Na realidade, a anestesia pode não ser necessária, já que o nervo está morto, mas, em muitos casos, isso deixa o paciente mais relaxado e à vontade.

Em seguida, para manter a área seca e livre de saliva durante o procedimento, será colocado um dique de borracha (uma lâmina de borracha) ao redor do dente e sugador.

A polpa, juntamente com bactérias e detritos relacionados, é removida. O processo de limpeza é realizado dentro do canal radicular.

O dentista irá higienizar toda a extensão do canal, raspar e esfregar os lados dos canais radiculares, removendo assim todos os nervos que possam ficar grudados nas paredes das raízes, podendo gerar uma infecção futura. Para lavar dentro do canal usa-se água ou hipoclorito de sódio, que podem ser usados periodicamente para lavar os detritos.

Etapa 2

Uma vez que o dente esteja completamente limpo, ele precisa ser selado. Alguns dentistas gostam de esperar uma semana antes de prosseguir com mais essa etapa. Esta semana serve para verificar se não terá nenhuma sintomatologia, se não houver, será confirmando que o canal está limpo e livre de bactérias. 

 


Agende sua avaliação

Se preferir, agende por Telefone: 0800 601 1520


Por exemplo, se houver uma infecção, o dentista em questão pode simplesmente colocar uma medicação dentro do dente para limpá-lo. Outros podem escolher selar o dente no mesmo dia em que ele for limpo.

Se a terapia do canal no dente não for concluída no mesmo dia, um preenchimento temporário é colocado no orifício externo do dente para evitar a entrada de detritos e agentes contaminantes entre as consultas.

Na próxima ida à clínica, para preencher o dente, uma pasta seladora e um composto de borracha são colocados no canal no dente. Para preencher o orifício de acesso exterior criado no início do tratamento, é colocado um preenchimento. Assim, esse preenchimento  também poderá impedir que o dente fragilizado se quebre antes que ele seja totalmente restaurado.

Etapa 3

A última etapa pode envolver uma nova restauração da área em questão. Um elemento dentário que precisa de tratamento de canal é: 

  • um elemento que tem um grande preenchimento ou extensa a ser restaurado;
  • um elemento que precisará ser reparado, como uma restauração ou até mesmo uma coroa.

Com isso, finalizando o tratamento de canal com um elemento dentário restaurado ou reabilitado com um coroa, essa finalização dará qualidade e longevidade ao tratamento realizado nos canais, impedindo assim a entrada de bactérias. 

O dentista que estiver cuidando do tratamento discutirá a necessidade de qualquer trabalho dentário adicional com você.

O que esperar após o tratamento de canal?

O tratamento do canal radicular irá remover a dor que era sentida anteriormente. O tratamento de canal no dente deverá estar completamente terminado, até que o preenchimento dos canais dentro das raízes estejam preenchido com material apropriado e o dente restaurado, ou uma coroa, se preciso for e recomendado pelo dentista, para que o elemento dentário consiga minimizar a carga de força da mastigação no dente reparado, não ocorrendo assim nenhuma sequela ou trauma. 

Procure não ingerir produtos muito duros, onde será necessário um maior esforço da sua arcada dentária, não ingerir também pedaços muito grandes de alimentos que podem pressionar o dente lesionado.

Nos primeiros dias depois do término do procedimento, o dente pode ficar extremamente sensibilizado devido à uma inflamação natural do tecido. Isso pode acontecer especialmente se houver infecção ou dor antes do tratamento.

Esse desconforto ou sensibilidade costumeiramente podem ser controlados com certos analgésicos de venda livre, tais como a dipirona sódica e o ibuprofeno, por exemplo. Uma boa parte dos pacientes que se submete a esse tipo de tratamento pode retornar às atividades rotineiras no dia seguinte.

No que diz respeito aos cuidados com a saúde bucal, podemos destacar e reafirmar a importância de:

  • Escovar os dentes a cada refeição feita;
  • Fazer o uso de fio dental de forma regularmente, uma vez ao dia;
  • Consultar um dentista da Sorridents em intervalos regulares de 6 em 6 meses.

Como a última etapa da terapia do canal no dente é a incorporação de uma restauração, como um preenchimento ou coroa, não é preciso se preocupar com a aparência. Não ficará óbvio para quem vir de relance que um canal no dente foi realizado, uma vez que o canal é a parte interna dentro da gengiva e ao finalizar o tratamento este elemento será restaurado. 

Um canal bem-sucedido

Os canais são altamente bem-sucedidos, sendo que este tratamento tem mais de 95% de sucesso na grande maioria dos casos. Muitos dentes que foram submetido ao tratamento de canal podem durar para a vida inteira. No entanto, o sucesso do tratamento depende muito do especialista escolhido e dos cuidados posteriores do paciente. Não fazer a correta higienização bucal após o tratamento, pode ser um fator a comprometê-lo.

Complicações da terapia do canal no dente

O dentista, ao realizar um tratamento de canal, mesmo tomando todos os cuidados na limpeza da cavidade e eliminação da infecção, pode ocorrer uma nova infecção por questões diversas. Entre as razões prováveis ​​para isso, destacamos as principais a seguir:

  • número de canais radiculares nos dentes (às vezes, a anatomia do dente apresenta mais ramificações do que o comum, e neste caso, o dentista não consegue verificar, deixando um desses canais não limpo);
  • Uma rachadura não detectada na raiz de um dente;
  • Uma restauração dentária insatisfatória ou inadequada que permitiu que as bactérias passassem pela restauração para as estruturas internas do dente e contaminasse o dente novamente;
  • Uma fratura no material de vedação interna ou na raíz do dente ao longo do tempo, permitindo que as bactérias contaminem as estruturas internas.

Se isso acontecer, o paciente deverá ser submetido ao re-tratamento de canal. Tendo a avaliação do dentista, se o quadro se agravar poderá ocorrer cirurgia na raiz do dente para a remoção de uma só raiz, salvando o resto do elemento dental.  

O procedimento cirúrgico endodôntico relatado acima e o mais comum é uma apicectomia ou ressecção da raiz.

Este procedimento alivia a inflamação ou infecção na área óssea, ao redor do final do seu dente. Neste caso, o tecido gengival é aberto, o tecido infectado é removido e, às vezes, o extremo da raiz também é removido. Um pequeno enchimento pode ser colocado para selar o canal no dente.

Alternativas à terapia do canal radicular

O profissional cirurgião-dentista preza sempre por salvar o elemento dental usando todas as técnicas e possibilidades. A perda do elemento dental é sempre a última opção que o dentista deixa para escolher. Seus dentes naturais permitem que você coma uma grande variedade de alimentos necessários para manter uma nutrição adequada.

Além disso, eles são esteticamente mais bonitos, obviamente. O procedimento de canal no dente é o tratamento de escolha unânime entre os dentistas, quando for necessário salvar o elemento dentário de uma cárie agressiva.

A única alternativa em contrapartida a um tratamento de canal radicular é ter o dente extraído. O dente seria então substituído por uma ponte, implante ou prótese parcial removível para restaurar a função da mastigação e evitar que os dentes adjacentes se movam.

Essas alternativas não são apenas mais caras do que um canal, mas requerem mais tempo de tratamento e procedimentos adicionais para os dentes adjacentes e tecidos de suporte.

Prevenção do canal no dente

Abaixo, iremos apontar algumas das razões pelas quais os nervos dos dentes e sua polpa se inflamam e infectam:

  • restaurações de forma profunda;
  • procedimentos odontológicos repetidos várias vezes em um dente;
  • obturações grandes feitas ao invés de optar por coroas.

Com isso, para uma prevenção, basta seguir boas práticas de higiene bucal, tais como:

  • Escovação duas vezes ao dia (no mínimo);
  • Uso do fio dental pelo menos uma vez por dia;
  • Agendamento de consultas odontológicas regulares, sendo de 6 em 6 meses.

Sendo assim, poderá haver uma redução da necessidade de um procedimento de canal no dente.

O trauma resultante de uma lesão relacionada ao esporte pode ser reduzido usando-se um protetor bucal. Contudo, este tipo de problema é mais complicado de prevenir dadas as circunstâncias.

Considerações finais

Seja para evitar um canal dentário ou mesmo outros tipos de complicações, como tártaro e cáries, as visitas regulares a clínicas de confiança são a melhor forma de manter sua saúde bucal em dia.

“Medo de dentista” é algo que está enraizado em nossa cultura, mas que pode ser deixado de lado, graças ao avanço tecnológico e às diversas formas modernas de tratamento odontológico que já existem.

Procure hoje mesmo uma unidade da Sorridents e comece a cuidar de seus dentes!

 

Postado em 15/08/2019.


Compartilhe

Siga-nos no twitter

Siga-nos no twitter