Agende a sua avaliação
Ou agende pelo telefone 0800 601 1520

Agende a sua avaliação de forma rápida e fácil

Agende a sua avaliação

Toxina botulínica na odontologia: o que pode e o que não pode?


Toxina botulínica na odontologia

Se você acha que a toxina botulínica é indicada somente para rugas e flacidez está muito enganado.

A substância pode ser aplicada também pelo dentista para tratar o bruxismo, disfunção da ATM e até para corrigir um sorriso assimétrico.

O uso da toxina botulínica na odontologia é um procedimento eficaz e seguro e, por isso, torna-se cada vez mais comum nos consultórios.

O Conselho Federal de Odontologia (CFO) regulamentou o uso da substância pelos dentistas para fins terapêuticos e estéticos. Quer saber mais sobre esses tratamentos? Então, siga com a gente!

Como funciona a toxina botulínica na odontologia?

Antes utilizada somente por médicos, agora a toxina botulínica também é aplicada por dentistas para o tratamento de vários problemas de saúde bucal e também estéticos.

A substância consegue bloquear o impulso nervoso no tecido muscular, provocando seu relaxamento. É um procedimento rápido, seguro, confortável e eficaz.

Apesar de não apresentar um resultado definitivo, — sendo necessária a reaplicação da substância após três a seis meses, dependendo do padrão muscular tratado — , possui benefícios para diferentes tratamentos.

Para quais tratamentos a toxina é eficaz?

A toxina botulínica tem apresentado bons resultados para diversos tratamentos, trazendo qualidade de vida aos pacientes. Veja, abaixo, algumas indicações da substância na odontologia:

1. Bruxismo

É uma situação comum, que se caracteriza pelo ranger dos dentes principalmente na hora do sono. Causa dor nos músculos da mandíbula e dores de cabeça, além do desgaste nos dentes.

A toxina botulínica é aplicada nos principais músculos da mastigação, assim eles diminuem a tensão, evitando o forte atrito entre os dentes.

2. Disfunção da ATM


Agende sua avaliação

Se preferir, agende por Telefone: 0800 601 1520


A disfunção temporomandibular, chamada de DTM, afeta a série de músculos que ligam a mandíbula ao maxilar. Pode causar fortes dores ao mastigar, na cabeça e no pescoço.

A toxina é aplicada nessa região, trazendo ótimos resultados.

3. Implantes

A substância ajuda também quem coloca implantes dentários. Ela trabalha no relaxamento dos músculos da mastigação, facilitando o processo de osseointegração que garante o sucesso do procedimento.

4. Sorriso gengival

Há pacientes que ficam com vergonha de sorrir por conta da gengiva grande. Com o uso da substância, a gengiva deixa de ficar exposta ao sorrir.

5. Sorriso assimétrico

Pessoas que sofrem com a questão estética de ter um sorriso torto podem se beneficiar com o uso da toxina botulínica, que corrige a assimetria.

6. Distonia

Condição caracterizada por espasmos na boca, língua e mandíbula. O paciente tem dificuldade para abrir e fechar a boca, para se alimentar (mastigar e engolir) e até para falar. Com o relaxamento muscular proporcionado pela toxina, a situação se normaliza.

Como se vê, a aplicação da toxina evita que os pacientes se submetem a procedimentos cirúrgicos para corrigir algum problema, como o sorriso assimétrico ou gengival; ou ainda ao uso constante de medicamentos para evitar, por exemplo, as dores da DTM.

Quem não pode utilizar a substância?

A aplicação é contraindicada para gestantes, lactantes e pessoas com doenças musculares, degenerativas e autoimunes. Não é indicada também para pacientes com alergia à toxina botulínica, lactose e albumina.

Viu como a toxina botulínica na odontologia pode ser utilizada para diferentes fins? Saiba ainda que, além dessa substância, o dentista está autorizado a utilizar outros preenchedores faciais, como o ácido hialurônico, também para tratamento estético.

Gostou de acompanhar esse artigo? Deixe seu comentário abaixo para esclarecer outras dúvidas ou dar sugestões!

Postado em 04/08/2017.


Compartilhe

Siga-nos no twitter

Siga-nos no twitter