Agende a sua avaliação
Ou agende pelos telefones (11) 2672-5700 - Estado de SP 0800 601 1520 - Demais estados

Agende a sua avaliação de forma rápida e fácil

Agende a sua avaliação

Saliva Excesso



 

A saliva em excesso na cavidade bucal pode ter diversas causas. O nome técnico para saliva em excesso é sialorreia e suas causas podem estar relacionadas a fatores locais na boca, bem como fatores sistêmicos, como algumas doenças ou condições. 

Em um indivíduo normal, há produção diária de até 1,5 L de saliva diariamente pelas glândulas salivares, localizadas na cavidade bucal em diferentes regiões. A quantidade de produção de saliva pode variar de pessoa para pessoa, mas também sofre forte influência de condições locais e sistêmicas do indivíduo. 

Importância da saliva 

A saliva é extremamente importante no organismo, pois não só hidrata as células da mucosa e da língua, como também auxilia na remoção de bactérias das superfícies dos dentes e na prevenção da cárie, pois atua na remineralização do esmalte. 

O pH da saliva é muito importante e determinante para o aparecimento de cárie no indivíduo. A diminuição da produção de saliva no indivíduo também tem efeito na deglutição. 

A composição da saliva também sofre alterações conforme a dieta do indivíduo, bem como se o paciente faz uso de alguma medicação. Portanto, é extremamente importante que o paciente relate sempre ao profissional da área da saúde, se faz uso de qualquer medicação e se está em tratamento para alguma condição clínica. 

Causas da saliva em excesso 

O excesso de saliva na cavidade bucal pode estar relacionado com aumento na produção de saliva ou diminuição da capacidade do indivíduo de engolir ou manter a saliva na boca. 

Em relação a isso, podemos dividir as causas entre: locais (relacionadas exclusivamente à cavidade bucal) e sistêmicas (resultados de problemas no organismo como um todo). 

Dentre as causas locais para saliva em excesso na cavidade bucal, podemos citar como as mais frequentes: 

  • Aparelhos ortodônticos novos e mal ajustados; 
  • Próteses totais ou parciais removíveis novas e mal adaptadas; 
  • Estomatite; 
  • Infecções bucais 

Dentre as causas sistêmicas mais comuns, podemos citar: 

  • Doença do refluxo gástrico; 
  • Utilização de medicamentos como Clonazepan e Pilocarpina; 
  • Gravidez (associada aos primeiros meses, quando muitas vezes há presença de enjoos. Situação provisória que se normaliza com o avanço da gestação); 
  • Tabagismo;
  • Estresse. 

Ainda existem causas sistêmicas mais raras que também podem causar saliva em excesso na cavidade bucal, como tuberculose, sífilis e raiva. 

No caso da capacidade de engolir saliva estar diminuída, as causas são outras e envolvem órgãos também do sistema respiratório. Algumas causas para essa diminuição na capacidade de engolir saliva são: 

  • Sinusite crônica; 
  • Alergias, como rinite; 
  • Alterações nas adenoides; 
  • Infecções na garganta; 
  • Tumores na região orofaríngea. 

A saliva em excesso, devido ao aumento da produção ou diminuição da capacidade do indivíduo de engolir a saliva ou mantê-la na boca também está ligada a algumas síndromes e quadros gerais característicos, tais como: 

  • Síndrome de Down; 
  • Esclerose lateral amiotrófica; 
  • Esclerose múltipla; 
  • Doença de Parkinson; 
  • Pacientes que tiveram AVC com comprometimento neurológico; 
  • Paralisia cerebral; 
  • Pacientes com quadros do espectro do autismo; 
  • Demência; 
  • Miastenia gravis. 

Todas essas condições necessitam de acompanhamento médico constante, portanto o excesso de saliva deve ser relatado ao médico, que está realizando o acompanhamento desses quadros. 

Saliva em excesso – o que fazer? Qual tratamento?


Agende sua avaliação

Se preferir, agende por Telefone: 0800 601 1520


O tratamento da saliva em excesso irá depender do que está causando essa situação no paciente. 

No caso de situações como gravidez, a situação é autolimitante, ou seja, com o avanço da gestação a produção de saliva se normaliza. A situação de saliva em excesso pode ocorrer nos primeiros três meses de gestação, geralmente associada a enjoo e vômito (quadro denominado de hiperêmese gravídica) e além de ser uma situação socialmente incômoda, pode acarretar dificuldades da gestante se alimentar de forma correta. 

A alimentação da gestante deve ser sempre realizada de maneira correta, saudável e um profissional de nutrição poderá indicar quais alimentos podem ser evitados ou restringidos para melhorar a saliva em excesso. 

No caso de fatores locais bucais, o cirurgião-dentista, por meio de uma boa anamnese e análise clínica das condições bucais, poderá identificar se há alguma prótese mal ajustada ou aparelho ortodôntico mal adaptado. 

No caso das próteses, nenhuma devem causar dor ou lesões por má adaptação. Uma prótese nova tem que estar completamente bem ajustada à cavidade bucal e isso faz parte do tratamento. Algumas vezes, algumas sessões são necessárias para ajuste da prótese. 

O mesmo serve para aparelhos ortodônticos. Os aparelhos não podem causar feridas ou lesões na cavidade bucal, sendo que devem estar bem ajustados. Qualquer incômodo deve ser informado ao profissional que está realizando o tratamento. 

No caso da estomatite, o cirurgião-dentista pode realizar o diagnóstico durante o exame clínico e poderá prescrever antibióticos ou corticoides, dependendo da situação apresentada, como forma de tratamento. 

No caso de estomatite causada por fungos na cavidade bucal (também chamada de candidíase bucal), comum em usuários de prótese total (dentadura), antifúngicos podem ser prescritos, bem como a troca da prótese. 

A redução da saliva em excesso em alguns pacientes pode ser obtida por meio de uso de alguns enxaguatórios bucais. O cirurgião-dentista saberá em qual caso esses enxaguatórios bucais podem ser indicados. 

Já nas condições sistêmicas, o médico poderá avaliar cada uma delas, fazendo o tratamento adequado. 

É importante que o paciente, ao notar o quadro de saliva em excesso, consulte um cirurgião-dentista, caso tenha colocado recentemente uma prótese ou aparelho. Mas também é importante lembrar que o cirurgião-dentista, ao avaliar a cavidade bucal do paciente (exame clínico) e realizar sua anamnese, poderá encaminhar o paciente para o médico, solicitando avaliação do caso e a opinião de um especialista para o caso. 

Além do cirurgião-dentista e do médico, outro profissional que pode trabalhar na melhora do excesso de saliva no paciente é o fonoaudiólogo. Com a terapia correta por meio do profissional de fonoaudiologia por meio de  exercícios de fortalecimento da musculatura orofacial, o processo de deglutição é ajustado, o que causará melhora do quadro de saliva em excesso. 

Ficou com dúvidas? Faz tempo que não consulta um cirurgião-dentista? É usuário de prótese ou aparelhos ortodônticos? Agende hoje mesmo sua consulta na Sorridents mais próxima.

Postado em 24/09/2019.


Compartilhe

Siga-nos no twitter

Siga-nos no twitter